segunda-feira, 9 de outubro de 2017

A ORIGEM DA EXPRESSÃO "RIPA NA CHULIPA" DO GRANDE NARRADOR DE FUTEBOL OSMAR SANTOSD

Osmar Santos
Uma das coisas mais interessantes nas narrações de futebol são os bordões usados pelos narradores. Alguns são extremamente criativos e encerram ideias incríveis que, se forem analisadas, dariam um livro. Outros bordões surgem da cultura do radialista e é repetido por ouvintes embora não tenham ideia do que a frase significa. É o caso do "É ripa na chulipa", utilizada por um dos maiores narradores do país, Osmar Santos, a quem um acidente impediu de seguir narrando jogos.
   Um livro antigo que encontrei em uma empresa na qual trabalhei me chamou a atenção para o significado da palavra "chulipa": na nomenclatura da Viação Férrea, é a travessa de madeira ou ferro que serve para manter fixos os trilhos do trem. É chamada também de "dormentes". Quando os trabalhadores terminavam o serviço na construção da linha, gritavam: É ripa na chulipa", que significava o fim de um trabalho bem feito. Isso passou a ser um ditado no interior de São Paulo. de onde Osmar Santos tirou para criar o bordão "ripa na chulipa" designando a feitura de um gol.

                                     O Locutor das Diretas

Osmar Aparecido dos Santos nasceu em Osvaldo Cruz, no interior de São Paulo, no dia 28 de j7ulho de 1949, filho de Romeu Santos e Clarice Santos. Aos 14 anos, Osmar começou sua carreira na Rádio Clube, de Osvaldo Cruz e, em seguida, passou a trabalhar na Rádio Dirceu, de Marília. Trabalhou também nas rádios Jovem Pan, Record e Globo. Trabalhou ainda nas redes de televisão Globo, Record e Manchete. Narrou a Copa de 1966 pela TV Globo e a de 1990 pela TV Manchete. Além de ter sido um dos melhores narradores de futebol, apresentou também o programa de variedades Balancê. 
  Chamado por amigos, jogadores e torcedores pelo apelido de "O Pai da Matéria, Osmar Santos também se notabilizou como o Locutor das Diretas, em 1984. Recebeu inúmeras ofertas para se candidatar a cargos políticos, mas nunca aceitou. É formado em Educação Física, Administração e Direito.

   Além de "Ripa na Chulipa", criou uma série de outros bordões que também ficaram famosos como "Pimba na Gorduchinha", "Um pra lá, dois pra cá, é fogo no boné do guarda",  "Parou por quê, por que parou? "Vai garotinho, porque o placar não é seu". Tiroliro lá, tiroliroli". Também foi  Osmar Santos quem criou a expressão "Animal", ao se referir ao jogador Edmundo, que acabou aceitando o apelido.
  Acidente interrompeu a carreira

   Em  24 de dezembro de 1994, sofreu um grade acidente, quando viajava de Marília para a cidade de Lins, também no interior de São Paulo. Atingido por um caminhão dirigido por um motorista alcoolizado, Osmar teve sérias sequelas devido aos danos cerebrais sofridos. Teve a fala comprometida, o que o impediu de continuar narrando jogos de futebol. Com movimentos feitos apenas com a mão esquerda, o ex-narrador virou pintor, frequentou galerias e ateliês, criou várias obras e participa de vários eventos.



Um comentário:

Dalva M. Ferreira disse...

Interessante, uma vida e tanto.