sábado, 21 de julho de 2012

UMA HISTÓRIA SOBRE PRESIDIÁRIOS E PASSARINHOS

O rapaz entrou na loja de venda de animais, no Mercado Público, comprou um pássaro e foi embora.  No mês seguinte, voltou e comprou outro passarinho.  Mais um mês depois, retornou à loja e comprou mais uma avezinha. Foi então que, ao puxar assunto com ele, no meio de várias outras informações, o dono do estabelecimento descobriu o que estava acontecendo. Toda vez que adquiria a ave, o rapaz levava para o seu bairro, abria a pequena caixa na qual a carregava e a libertava.
     - Já estive preso por algum tempo e sei muito bem o sofrimento de viver atrás das grades. Por isso, sempre que posso, compro um passarinho para dar-lhe a liberdade. Nem um bicho merece ficar preso – comentou o comprador para o dono da loja de pássaros.
  O dono da lojinha  ficou impressionado. O homem estava bem arrumado e não parecia ser marginal. Deve ter sido alguém que cometeu algum erro, pagou pelo que fez, cumpriu a pena e se arrependeu. E ficara com aquela marca da prisão a corroer-lhe a alma.
    O comerciante poderia ter ficado quieto. Afinal, renderia muitas outras vendas de pássaros. Mas resolveu conversar com o desconhecido. Explicou que aqueles canários que ele comprara não são nativos. Foram trazidos de outros países. Se fossem largados na natureza, certamente não demorariam mais do que três dias com vida porque estão acostumados a receber alpiste e não saberiam procurar alimento na rua. Além disso, seriam presas fáceis para gaviões ou gatos. Além disso, se ficassem vivos, iriam ser logo capturados e levados novamente para uma gaiola. Diante disso, ao largá-los, o bem intencionado ex-presidiário estava fazendo mal aos bichinhos, em vez de ajudá-los. Seria melhor que destinasse seus esforços para que outros humanos não caíssem no mesmo erro que ele e acabassem experimentando a trágica vida dentro de uma prisão.
  Depois daquele dia, até ontem, nunca mais o ex-presidiário apareceu para comprar passarinho.

2 comentários:

Mauro Castro disse...

Bela história. Lembrou-me um texto do Nilson Souza, em Zero Hora, falando de um local na África, onde vendem-se pássaros para serem soltos. As pessoas compram com gaiola e tudo só pelo prazer de soltá-los. Acontece que esse comércio acaba incentivando a captura dos próprios pássaros...não sei se consegui explicar, hahahha
Há braços!!

vidacuriosa disse...

Obrigado, meu amigo Mauro. Abrs