quarta-feira, 4 de fevereiro de 2015

TIA LOLÔ PRECISA AJUDA PARA PODER CONTINUAR AUXILIANDO AS CRIANÇAS EM VIAMÃO


Losângela, a Tia Lolô, está contruindo uma peça para servir de lavanderia
Admiro demais as pessoas com carisma, aquelas que conseguem fazer com que seus amigos ou até mesmo conhecidos o sigam quase que cegamente, acompanhando-as em ações, mesmo as mais estapafúrdias. Admiro-me com aqueles que organizam "flash mobs", em que, do nada, no meio da rua, em determinado horário, começam a aparecer pessoas de todos os lados, integrando-se a uma proposta, seja formar uma orquestra, tocar uma música, ou formar um corpo de dançarinos, apresentar-se e, em seguida, desaparecer, do mesmo modo. Pode ser, também, cada uma chegar com um livro depositando-o sobre um banco de praça e saindo também anonimamente como chegou. Eu queria ter essa capacidade. Não para conseguir algo em meu próprio benefício, mas para ajudar alguém que precise.
Eu gostaria de encontrar alguém carismático o suficiente para bolar um flash mob consequente. Imaginei, por exemplo, de repente, pessoas chegando do nada à Associação Comuntária Beneficente Tia Lolô, na Vila Orieta, em Viamão. Um a um, vai deixando, no portão, um dos cem tijolos maciços que a Tia Lolô está precisando para a obra que realiza. Ou um sarrafo 50x50x550. Ou um viga de concreto 10x15, Ou um quilo de cimento ou de areia, eletrodo, prego para telhas 6mm, ou uma das seis cantoneiras 1 x 1/8.
   Losângela Ferreira Soares Martins, a Tia Lolô, é aquela batalhadora que criou uma creche em um ônibus velho, que enfrentou todos os obstáculos, inclusive a burocracia e que teve seu esforço reconhecido ao ser agraciada com o Prêmio Líderes Vencedores. Agora ela está construindo uma sala para a lavanderia da creche que abriga gratuitamente crianças carentes da vila. Ela já está com a obra quase pronta e teme não conseguir verba para comprar esse material antes de março, quando as crianças retornam. Elas ficam ali no horário inverso da escola. Fazem reforço escolar e se ocupam com atividades lúdicas. As meninas aprendem a fazer crochê, tricô, pintura em tecido, entre outras coisas. Ajudada por voluntárias, Tia Lolô não dá somente alimentação e apoio técnico para as crianças e pré-adolescentes que são atendidos pela associação, dá carinho e atenção que, muitas vezes, os pequenos não têm em casa.
Essa história de "flash mob" é apenas um sonho impossível. Mas eu desejaria, do fundo do coração, que as pessoas ou instituições, ou governos, ajudassem a Tia Lolô nessa pequena mas importante obra. Para isso, a Associação Beneficente Tia Lolô da Vila Orieta mantém uma conta-corrente no Banrisul onde qualquer quantia que for depositada, por menor que seja, seria de grande ajuda. A Agência é 0965 e o número da conta 06857289 08. Tia Lolô não quer nada para ela, nem lençóis de cetim nem toalhas de tecido egípcio. Uma pequena ajuda gaúcha e brasileira já estaria de bom tamanho.

Por um lapso, acabei deixando os dois números finais da conta de fora. Já consertei. Então é Banrisul, agência 096, número 06857289 08.


Nenhum comentário: