terça-feira, 30 de abril de 2013

PIADINS DE MINERINS

Como grande parte dos gaúchos (há uns rio-grandenses que gostam), não curto as piadas que paulistas e cariocas, especialmente, fazem para ridicularizar o pessoal do Rio Grande do Sul. Mas há algumas gozações sobre gaúchos que eu acho graça e até coloquei algumas aqui no meu blog. Gosto das piadas sobre os outros brasileiros porque nenhuma delas é fruto de algum recalque. É apenas uma brincadeira inteligente, ao contrário do que Bussunda e seus amigos do Casseta e Planeta insistiam cansativamente e sem criatividade. Hoje, quero fazer uma homenagem aos nossos queridos irmãos de Minas Gerais.
                                                                 
Família de mineiros está na estação ferroviária de Belzonte. A mãe fala com os filhos:
- Minino, pegue esse trem e guarde na sacola.
- Minina, ponha este trem aqui no seu cabelo.
- O minino, passe a mão pra mode tirar esse trem que caiu em cima do teu ombro, uai.
Em seguida, ouve-se o apito da locomotiva. Nervosa, a mãe dá novas ordens:
- Gente, peguem logo os seus "trem" que o "coiso" já tá chegando aí.

********


Em um carro supermoderno, um sujeito bem-arrumado para, no meio de uma estrada no interior de Minas Gerais. Com uma pane no GPS e sem bateria no celular, pergunta a um minerim que está sentado em um toco de árvore na beira da rodovia:

- Olá, meu amigo, como é o nome dessa rodovia?

- Num sei, não sinhor.
- E como é o nome dessa localidade?
- Tumém não sei.
- E que direção eu pego para ir pra São Paulo?
- Sumpaulo? Oia, também não faço indéia.
O motorista, sem paciência nem educação, exclama:
- Orra, meu. Como é que pode? Você não sabe nada! Você é muito desinformado!
O minerim olha para ele, olha pro chão, volta a olhar para ele e responde:
- Óia, pode inté sê que eu seja tudo isso... Mas eu não tô perdido, uai!

                                                        *********
Por fim a clássica, a mais conhecida. Início de noite, sujeito passa pela frente da casa do minerim, lá em Barbacena, e o vê na sala diante da televisão. Para cumprimentar o amigo, ele grita:
- Firme?
E o outro responde?
- Não, Jornar Nacionar.


                               








3 comentários:

Dalva M. Ferreira disse...

Uai, somos isso mesmo, uai.

vidacuriosa disse...

Eu gosto por demais da conta dos mineiros, especialmente da minha amiga Dalva, com seus excelentes textos.

Dalva M. Ferreira disse...

Ah bão!