sábado, 2 de fevereiro de 2013

E, DE REPENTE, ME VEIO ISSO NA MENTE

Li todo aquele livro que me deste,

Daquele autor a quem não admiro
 Mas que tu adoras, como me disseste
E que o lês assim entre suspiros.
Li todo o livro sempre em ti pensando,
Como um recado que tu me entregavas.
E quanto mais errinhos fui catando,
 te sou sincero, mais prazer me dava.
Marquei de tudo, o que me deu na telha.
Risquei demais, com comentários meus,
enchi de anotações, até pelas orelhas.
Usei todos os espaços, pelo amor de Deus!
Te entrego agora, é um novo texto.
Tem minha vida misturada nele.
Te dizer o que sinto foi o meu pretexto.
Tentei apenas ser melhor que ele.

2 comentários:

Dalva M. Ferreira disse...

Eu acabo com meus livros de tanto que eu os rabisco! Preciso parar com isso...

vidacuriosa disse...

Quando o livro é emprestado, devolvo-o praticamente intacto, embora, às vezes, não resista em colocar discretamente um acento que falta, uma vírgula extremamente necessária. Nos livros que compro ou ganho, não chego a fazer o que o personagem dessa minha poesia fez, mas marco muita coisa, principalmente para atualizar fatos.