terça-feira, 29 de maio de 2012

UMA PESQUISA CURIOSA DO MINISTÉRIO DA SAÚDE

Hoje à tarde, recebi uma visita curiosa do Ministério da Saúde. A mocinha simpática que bateu aqui em casa aplicou-me um questionado durante mais de uma hora. Tem gente que não gosta de responder pesquisas do governo e depois se queixa que os governantes não conhecem a realidade da população. Por causa disso, aceitei responder as perguntas. 
     Até achei interessantes os itens em que perguntava se eu tenho ou tive determinadas doenças  e que nota de um a 10 eu daria para o meu próprio estado de saúde. Mas aí a funcionária começou um jogo psicológico bastante curioso que eu, completamente leigo no assunto, não consegui entender para que servirá. Nem ela me explicou. A garota me apresentou uma série de cartões e pediu para eu pôr em ordem de importância de acordo com a gravidade do conteúdo das condições hipotéticas ali enumeradas Explicando melhor queria saber o que eu considerava que era mais trágico (na verdade não foi essa a palavra que a menina usou).  Infelizmente não anotei. Um dos cartões dizia mais ou menos assim: Conseguir andar, conseguir se lavar e vestir sozinho, conseguir desenvolver suas atividades profissionais normalmente, não sentir dor, não estar depressivo. Os outros cartões eram parecidos, mudando apenas um item em cada um. Por exemplo, um referia “não conseguir sair da cama” com os outros itens iguais ao primeiro que referi. Outro dizia “não conseguir se vestir ou se lavar sozinho.” Outro, ”não conseguir desempenhar suas funções profissionais”, outro ”sentir dores intensas”. E mais cartões variando essas condições.
A parte mais angustiante se eu achava ser mais interessante, hipoteticamente, morrer ou viver dez anos nessas precárias condições de não poder andar, nem fazer a higiene sozinho, nem desempenhar atividades profissionais, sentindo dores intensas e em profunda depressão. É claro que pode haver um sentido em tudo isso, mas, leigo que sou, fiquei intrigado. Preferia que o Ministério da Saúde me perguntasse o que eu acho do SUS, da Medicina em um país que vende saúde (no sentido de comercializar), em um país capitalista e selvagem, do comportamento da população para evitar a propagação de doenças, mas nada disso me foi perguntado. Se você também respondeu a essa pesquisa ,se você faz parte do Ministério da Saúde ou não é leigo, por favor me explique. Eu não estava angustiado antes da pesquisa, mas acho que agora fiquei.

Nenhum comentário: