quinta-feira, 9 de junho de 2011

OS CRAQUES DE FUTEBOL E AS MÚSICAS QUE OS HOMENAGEIAM

                                                                                        Atualizado em 19/7/2011
       Depois da origem dos nomes dos clubes de futebol, apresentamos agora, alguns dos craques brasileiros para os quais foram feitas músicas. Mais jogadores mereciam estar nesta pesquisa, mas preferi deixar só estes para o post não ficar muito longo, o que prejudicaria a leitura.
                                                 

                     PELÉ
 O Rei do Futebol Mundial

Quando um jogador fizer, se é que conseguirá, 1.282 gols em sua carreira e for tricampeão mundial, poder-se-á então, começar a discutir se ele foi melhor do que Edson Arantes do Nascimento, o Pelé. Para isso, terá de ter sido o futebolista do seu século, como Pelé o foi em 1999, eleito pela International Federation of Football History e Statics. Ou o Atleta do Século de Todos os Esportes, como foi em 15 de maio de 1981 pelo jornal francês Le Equipe. Em 2000, foi eleito pela Fifa como o jogador de futebol do Século XX. Além disso, ganhou três copas do Mundo (1958, 1962 e 1970) pela seleção brasileira, bicampeão mundial pelo Santos, campeão de duas Libertadores também pelo clube santista.
Edson nasceu em 23 de outubro de 1940 em Três Corações (MG), filho de João Ramos do Nascimento, o também jogador de futebol Dondinho, e de Maria Celeste. O nome teria sido uma homenagem ao inventor norte-americano Thomas Alva Edison. Já o apelido Pelé teria se originado da alcunha de um goleiro, amigo de seu pai, chamado Bilé. Ainda pequeno, como não conseguia dizer o nome correto do jogador, acabava pronunciando Pilé e acabou ganhando esse apelido que derivou para Pelé.
Em 1945, Pelé mudou-se com a família para Bauru (SP). Com 11 anos jogava em um time juvenil chamado Canto do Rio. Apoiado pelo pai, criou seu próprio time, que batizou de Sete de Setembro. Jogou depois no time juvenil do Bauru Atlético Club. Das iniciais BAC surgiu o apelido de Baquinho. Foi então que o jogador e treinador Valdemar de Brito o levou para treinar no Santos. Aí começou a carreira vertiginosa que resultou nos títulos mencionados no início desta história. Pelé parou de jogar duas vezes. A primeira, aos 37 anos, em 1974, quando estava no Santos. A segunda em 1977, quando estava no Kosmos de Nova York. De 1995 a 1998, Pelé foi ministro dos Esportes no governo Fernando Henrique.
Vídeo: música Deus Negro, autoria de Cecílio José Carneiro


                      
     GARRINCHA,                     
      A Alegria do Povo
Manoel Francisco dos Santos, o Garrincha, foi, depois de Pelé, o jogador que mais valorizou um ingresso de futebol. Brilhante na arte do drible, do cruzamento e da complementação do gol, teve uma história inesquecível. Nasceu em 18 de outubro de 1933, no distrito de Pau Grande, do município fluminense de Magé. Em sua infância, gostava de caçar passarinhos e ganhou, da irmã, o apelido de uma dessas aves. Conforme Ruy Castro, ele teria ficado com as pernas tortas devido por ter sofrido de poliomielite.
Seu primeiro clube foi o Esporte Clube Pau Grande, quando tinha 14 anos. Depois passou pelo Serrano, de Petrópolis e dali foi para o Botafogo de Futebol e Regatas. Contam historiadores e desportistas que, no primeiro treino, ele encheu de dribles o já famoso lateral esquerdo Nilton Santos.
   Garrincha jogou por 13 anos no Botafogo a partir de 1953. Também jogou um ano no Corinthians Paulista (66) e no Flamengo (1969), no Olaria e na Seleção Brasileira de 1957 a 1966, quando foi campeão mundial em 1958 e 1962. Também atuou no Atlético Junior, da Colômbia. Também disputou uma partida pelo Novo Hamburgo, em 2 de junho de 1969, outra pelo Alecrim de Natal e outra pelo Fortaleza (CE).
Na vida pessoal teve oito filhas com a primeira namorada Nair. Depois de se separar, casou com a cantora Elza Soares, com quem viveu por 15 anos. Os dois tiveram um filho, Manoel Garrincha dos Santos Junior, que morreu em um acidente de carro. Teve dois filhos fora do casamento, um no Brasil e outro na Suécia.
Garrincha morreu em 20 de janeiro de 1983 devido à cirrose (doença no fígado).
Vídeo: Balada do Nº 7, composição de Alberto Luiz, na voz de Moacir Franco



  RONALDO NAZÁRIO
  O Fenômeno
Ronaldo Luís Nazário de Lima, nasceu no bairro de Bento Ribeiro, na cidade do Rio de Janeiro em 22 de setembro de 1976. Ele queria treinar no Flamengo, mas não tinha dinheiro para as passagens e foi então treinar no São Cristóvão. Jairzinho, o Furacão da Copa, o viu jogando e pagou 10 mil dólares pelo seu passe e o revendeu para o Cruzeiro de Minas, onde estreou, com 16 anos, em 1993. Naquele ano, participou da seleção brasileira sub17. Em 1994, foi contratado pelo PSV Endoven, da Holanda, onde marcou 54 gols em 57 partidas. Em 1996, foi para o Barcelona, da Espanha, onde ganhou o apelido de Fenômeno e acabou escolhido pela primeira vez o melhor jogador do mundo daquele ano. Na Inter de Milão, em 1997, fez 14 gols em 19 jogos e foi eleito melhor jogador do mundo, pela segunda vez. Em 1998, sofreu uma convulsão pouco antes da final da Copa do Mundo. em 2000, ficou oito meses parado devido a uma lesão no joelho direito. Em 2002, foi pentacampeão do mundo pela seleção brasileira e saiu da Inter e foi para o Real Madrid. No final do ano, foi eleito o melhor jogador do mundo pela terceira vez. Em 2007, jogou no Milan. Com hipotireoidismo, começou a engordar. Além disso, sofreu nova lesão grave. Em dezembro de 2008, foi contratado pelo Corinthians, onde foi campeão paulista. Em 14 de fevereiro de 2011, anunciou sua aposentadoria e afirmou: Perdi para o meu corpo. Ronaldo foi o maior artilheiro de Copas do Mundo com 15 gols, em quatro edições (94, 98, 2002 e 2006).
Em 7 de junho de 2011, Ronaldo fez seu jogo de despedida atuando por 15 minutos pela Seleção Brasileira na vitória de 1 a 0 em amistoso contra a Holanda.
Vídeo: música Sou Ronaldo, parceria de Marcelo D2 e Bruno Mauriti
                            FIO MARAVILHA
                            Famoso pela música

O nome João Batista Sales não chama a atenção de ninguém. Mas o apelido dele é conhecido por muita gente: Fio Maravilha. Esse jogador ficou famoso não apenas pelo seu futebol, mas pela música feita para ele por Jorge Ben (antes de acrescentar o outro Jor no nome por recomendação da numerologia). Fio começou sua carreira de jogador no Flamengo, aos 15 anos. Ganhou esse apelido após fazer um gol na vitória de 3 a 2 do time carioca sobre o Benfica de Portugal. Fio jogou também no Paissandu (PA), Ceub (DF), Desportiva (ES) e São Cristóvão (RJ). Na década de 80 foi para os Estados Unidos onde vive até hoje, onde trabalha como entregador de pizza em San Francisco.
Em 1972 Jorge Ben fez uma música para ele chamada Fio Maravilha, que era cantada não só por toda a torcida flamenguista, como pelos ouvintes de rádio no Brasil inteiro. Anos depois, sugestionado por um advogado, Fio entrou na Justiça contra Jorge, exigindo dinheiro pelo uso do nome. Jorge Ben foi obrigado a trocar a letra da música passando para "Filho Maravilha". Em 2007, Fio disse em entrevista ao Fantástico que tudo foi um mal entendido e pediu que Jorge, agora Benjor, voltasse a cantar a música com o nome dele. No ano passado, 22 anos depois, em entrevista ao Esporte Espetacular, Fio voltou a pedir a Jorge Benjor que cantasse Fio Maravilha. E o grande Jorge cantou. E perdoou o ingrato jogador.

Vídeo: música de Jorge Ben (versão Filho Maravilha)

                       ROMÁRIO
                                   Ele é o cara
Romário de Souza Faria é o jogador mais marrento da história do futebol brasileiro, quiçá mundial. Além dos gols maravilhosos, costumava brindar aos repórteres e torcedores frases memoráveis. "Quando eu nasci, Papai do céu olhou lá de cima e disse: "esse é o cara.
Nascido no dia 29 de janeiro de 1966 na comunidade do Jacarezinho, de onde saiu aos três anos para morar no bairro da Penha, Romário. Lá jogou no Estrelinha, time fundado por seu pai, Edevair de Souza Faria. Seu primeiro clube profissional foi o Vasco, onde estreou em 1985.
Em 1988, participou da Olímpiada de Seul e foi o artilheiro da competição com seis gols. No mesmo ano foi contratado pelo PSV Eindhoven, da Holanda. Romário foi o terceiro maior artilheiro da seleção brasileira, com 55 gols marcados. Foi campeão do mundo em 1994. Nesse mesmo ano, quando jogava pelo Barcelona, da Espanha, foi eleito o melhor jogador do mundo da temporada. Em 1995, foi contratado pelo Flamengo, no ano do centenário do clube carioca. Depois foi para o Valencia da Espanha e voltou em 1997 para o Flamengo. Ele viria a jogar no Vasco, Fluminense, Quatar (Al Saad), Miami (Estados Unidos). Em 20 de maio de 2007, alcançou a marca dos mil gols marcados na carreira, em um jogo pelo Vasco contra o Sport. Sua despedida do futebol aconteceu em 14 de abril de 2008. No ano seguinte, Romário elegeu-se deputado federal pelo Rio, pelo PSB.
 Sobre as frases do marrento, as mais famosas são: "Pelé calado é um poeta" (sobre a opinião do Rei de que ele, Romário deveria encerrar a carreira em 2005)" A corte está completa no Rio. Já temos o Rei, o príncipe e agora o bobo", para Edmundo durante uma discussão pela imprensa.
Vídeo: Romário por Tom Cavalcante


FALCÃO
O Rei de Roma                                            
Filho do motorista de caminhão Bento Falcão e da costureira Azize, Paulo Roberto Falcão nasceu em Abelardo Luz (SC) em 16 de outubro de 1963. Ele tomou contato com a bola em jogos de várzeas de Canoas para onde a família se mudou nos anos 60. Com 11 anos, Falcão vendia garrafas vazias para custear a passagem até o campo de treino do Internacional, onde começou a jogar. Aos 18, tornou-se jogador profissional com o técnico Dino Sani, após participar da seleção olímpica do Brasil nos Jogos de Munique (1972).
Falcão conquistou cinco títulos regionais (73,74,75,76 e 78) e três campeonatos brasileiros pelo Inter, no qual jogou por 16 anos. Em 1982, disputou a Copa do Mundo da Espanha. Antes disso, foi para a Itália onde comandou a conquista do scudetto de 1983/84 que o Roma não ganhava havia 42 anos. Lá, foi apelidado de O Oitavo Rei de Roma. Em 1985 voltou para o Brasil onde ajudou o São Paulo a ser campeão paulista naquele ano. Participou da Copa do Mundo de 1986, no México e encerrou sua carreira. Em 1991, estreou como treinador, dirigindo a Seleção Brasileira. Depois, treinou o América do México, o Internacional de Porto Alegre e a seleção japonesa. Em 1995, foi comentarista esportivo da RBS e em 1996, da Rede Globo. Em 2011, voltou a treinar o Internacional, onde conquistou o título de campeão gaúcho. Ficou no clube de 11 de abril a 18 de julho, quando foi dispensado.
Vídeo: música gravada por Jorge Ben em 1983


    RONALDINHO GAÚCHO             http://youtu.be/pkG7DG2fU60
                                                                                                                    
Nascido em Porto Alegre, em 21 de março de 1980, Ronaldo de Assis Moreira começou a jogador futebol aos sete anos de idade. Chegou ao ápice de sua carreira ao ser escolhido como melhor jogador do mundo do ano de 2004 e 2005. Aos oito anos, perdeu o pai, que se afogou na piscina da casa comprada pelo irmão de Ronaldinho, Roberto de Assis Moreira, o Assis, que jogava no Grêmio.
Foi na escolhinha de futebol do Grêmio que Ronaldinho começou a mostrar seu estupendo futebol, caracterizado pela facilidade com que driblava e fazia gols. O primeiro jogo como profissional seria na Copa Libertadores da América, em 1998. Na final do campeonato gaúcho de 1999, vencido pelo Grêmio, deixou sua marca ao dar um balãozinho no então jogador do Inter Dunga, que viria a ser treinador da Seleção Brasileira. Naquele ano, Ronaldinho foi convocado para a Seleção pelo técnico Vanderlei Luxemburgo.
Em 2001, sem o aval do Grêmio, Ronaldinho assinou um pré-contrato em sigilo com o Paris Saint German, da França, e vai jogar no Exterior, sem o clube gaúcho receber qualquer contrapartida pelo passe. Uma disputa judicial entre o clube francês e o Brasileiro fez o crack ficar sem atuar durante meses.

Depois de jogar a Copa do Mundo de 2002, Ronaldinho foi contratado pelo Barcelona, da Espanha, onde ficou até 2008. quando se transferiu para o Milan, da Itália. Em 10 de janeiro de 2011, depois de ser o centro de um leilão do qual participaram Grêmio, Palmeiras e Flamengo, Ronaldinho terminou acertando-se com o clube carioca.

Vídeo: música do grupo Jeito Moleque (obs: não consegui baixar do youtube)

Fontes: wikipédia,YouTube, livros Estrela Solitária - A história de um Brasileiro chamado Garricha, de Rui Castro, e Histórias da Bola, de Paulo Roberto Falcão em depoimento ao jornalista Nilson Souza.


Veja também: "a origem dos nomes dos clubes mais importantes do futebol brasileiro" em  http://migre.me/8knYu

Nenhum comentário: