segunda-feira, 3 de janeiro de 2011

UMA AJUDA NA BUSCA POR DESAPARECIDOS

Excelente a série de reportagens que o Diário Gaúcho está publicando, desde a segunda-feira, sobre pessoas desaparecidas. O trabalho do repórter Eduardo Torres conta histórias e publica fotos de pessoas que se perderam das famílias. Revela que a droga é uma das causas dos sumiços e escancara que a polícia dá pouca importância aos desaparecimentos de adultos, grande parte deles com doenças como Alzheimer. Já as buscas a crianças e jovens têm sido mais competentes pelo Departamento Estadual da Criança e do Adolescente. Só no Estado, desapareceram cerca de 5 mil crianças e adolescentes no ano passado, dos quais 80 por cento voltaram para casa.



Entre os adultos, lamentavelmente, a procura é feita apenas pelos já sofridos familiares. Os policiais não priorizam as buscas principalmente quando se trata de drogados. O certo seria ir atrás não apenas para localizar o desaparecido, mas também para identificar bocas de fumo e combater o tráfico. O incrível é que as polícias são estanques. O correto seria repassarem as informações entre as delegacias especializadas para solucionar as duas partes. Mas aí parece que já é querermos demais.
    O que fica claro é que adultos desaparecidos só são procurados pelas polícias quando são parentes de alguém importante. Por isso é que notei um erro de roteiro na novela Passione, outro dia. Em uma cena, o personagem Danilo (Cauã Raymon), detonado pelo crack, desaparece de casa e só é encontrado porque o tio dele, Gerson (Marcelo Antonny), tropeça nele quando corre atrás de um irmão da sua ex-mulher Diana (Carolina Dieckmann). Ora, se o tal Danilo é neto da dona de uma metalúrgica e ele próprio um competidor de ciclismo, na vida real a polícia certamente iria procurá-lo ou a própria família, abastada, colocaria um detetive para localizá-lo. Ele ficou um bom tempo caminhando pelas ruas como se fosse um drogado pobre. Mesmo com esse erro, acho importante o trabalho do autor Silvio de Abreu para colocar uma realidade tão destruidora que atinge todas as classes sociais.

 Aqui no blog, tenho colocado fotos de várias pessoas desaparecidas. Dê uma olhadinha, ao lado. Quem sabe não é alguém que você viu em algum lugar?

Um comentário:

Super Falcote & Super Mei - Jerri Costa e Taise Teixeira disse...

Obrigado Plínio!!! Deu um trabalhão a pintura na parede mas valeu apena!! Abração!!!!!