quarta-feira, 26 de agosto de 2009

O PESSOAL CONTINUA UTILIZANDO O TERMO "VÍTIMA FATAL"

Com o surgimento da gripe Influenza A- H1 N1, o pessoal de rádio, televisão e até de jornal intensifica o erro de chamar os mortos de "vítimas fatais":

A expressão "vítima fatal" não existe. Fatal vem do latim fatale e significa "que mata", "que causa morte" e não que morre. Ao dizerem ou escreverem que há mortos em acidentes, não conseguem uma outra maneira para expressar essa ideia e, por isso, referem-se a vítimas fatais. 
Existem casos fatais, acidentes fatais, mas não vítimas fatais. Brincando, poderia se chamar de vítima fatal a uma pessoa extremamente gorda que cai de um edifício de oito andares em cima de outra pessoa.
Por falar em gripe A, alguns colegas de rádio e tevê pronunciam "influenza" quando na verdade, o som certo é "influença", já que a palavra é espanhola. Em espanhol, a letra z (zeta) tem som de dois esses ou c cedilha.

2 comentários:

Clarice disse...

Interessante ponto de vista.
Talvez toda essa confusão seja por conta de que há vítimas não fatais, com muita sorte!
Abraço e nada de gripe, viu?

Dalva M. Ferreira disse...

OK!