quarta-feira, 8 de julho de 2009

SOBRE OS FILHOS

Na semana passada, envolto em meus pensamentos, remexendo idéias do passado, veio-me à mente uma poesia do Gibran Khalil Gibran, de um livro que eu li quando ainda estava no chamado curso científico no Colégio Júlio de Castilhos. Como trabalho da disciplina de português, encenamos uma peça de autoria do colega Ivo Renato
D'Ávila França (com quem nunca mais tive contato), chamada Guerra Sã. Terminava o ano de 1972. Uma poesia do Gibran era lida no espetáculo, eu a decorei e nunca mais esqueci. Ontem, recebi entre os inúmeros e-mails, um de minha irmã Sandra em que me repassava justamente um texto com a poesia do poeta libanês.



Vossos filhos não são vossos filhos
são os filhos e as filhas da ânsia da vida por si mesma.
Vêm através de vós, mas não de vós,
e embora vivam convosco, não vos pertencem.
Podeis outorgar-lhes vosso amor, mas não vossos pensamentos,
porque eles têm seus próprios pensamentos.
Podeis abrigar seus corpos, mas não suas almas;
pois suas almas moram na mansão do amanhã,
que vós não podeis visitar nem mesmo em sonho.
Podeis esforçar-vos por ser como eles,
mas não procureis fazê-los como vós,
porque a vida não anda para trás
e não se demora com os dias passados.
Vós sois os arcos dos quais vossos filhos são arremessados
como
flechas vivas.
O arqueiro mira o alvo na senda do infinito
e vos estica com toda a sua força,
para que suas flechas se projetem, rápidas e para longe.
Que vosso encurvamento na mão do arqueiro
seja vossa alegria: pois assim como ele ama a flecha que voa,
ama também o arco que permanece estável.

QUEM FOI GIBRAN

Gibran Khalil Gibran nasceu, em 6 de janeiro 1883, em Bsharri, nas montanhas do Líbano, região então dominada pelo Império Turco Otomano, há milênios conturbada e há milênios preocupada com o fenômeno filosófico e religioso. Em 1894, ele se mudou para os Estados Unidos com a mãe, o irmão Pedro e as duas irmãs Mariana e Sultane. Foram morar em Boston. O pai permaneceu em Bsharri. Em 1898, voltou ao Líbano para completar seus estudos árabes e matriculou-se no Colégio da Sabedoria em Beirute. Ao diretor, que procurava acalmar sua ambição impaciente, dizendo-lhe que uma escada deve ser galgada degrau por degrau, Gibran respondeu: "Mas as águias não usam escadas!"
Em 1902, Gibran retornou para Boston. No ano seguinte morreu sua mãe e seu irmão. Gibran escrevia poemas e meditações para jornal árabe Al-Muhajer (O Emigrante), publicado em Boston. Seu estilo novo, cheio de música, imagens e símbolos, atraía-lhe a atenção do mundo árabe. Desenhava e pintava numa arte mística que lhe era própria. Uma exposição de seus primeiros quadros despertou o interesse de uma diretora de escola americana, Mary Haskell, que se ofereceu para custear seus estudos artísticos em Paris.
   Está bem, vou abreviar. Depois de publicar uma série de livros como o Louco, o Precursor, o Profeta, Areia e Espuma, Jesus, o Filho do Homem, Os Deuses da Terra, entre outros, Gibran morreu em 10 e abril de 1931, no Hospital São Vicente, em Nova Iork, após uma crise pulmonar.

2 comentários:

Dalva M. Ferreira disse...

Amo a sabedoria de Gibran! Tem um pequeno lapso na data da sua volta ao Líbano: é 1898 a 1902. Abraço!

vidacuriosa disse...

Obrigado Dalva. Já corrigi o equívoco.