sábado, 13 de outubro de 2007

NOVA VERSÃO DE A CIGARRA E A FORMIGA

Num canto da casa,
o marido escrevia.
Satisfeito, pingou o
ponto final na poesia.
Falava de amor, de
beleza e de melancolia.
Resolveu ir então à cozinha
para dividir essa alegria.

Curvada na mesa, a
mulher também escrevia.
Curioso, olhou por sobre
os ombros dela. O que seria?
Falava de abobrinhas,
pepinos, rúculas e sal,
temperos, açúcar e banhos-marias.

O homem riu e então
comparou com o que fazia.
E se sentiu o maior
poeta das cercanias.
Leu para ela a sua obra
e lhe pediu, com ironia:
– Leia para mim a sua, rainha minha.

Amuada, a mulher recolheu
seus papéis e voltou às panelas.
Como alguém podia
desprezar algo que era dela?
Passaram-se horas,
já era mais de meio-dia.
A barriga roncava
de tão vazia.

- Ô, mulher, tenho fome!
Dá-me pelo menos uma ambrosia.
Ela olhou-o nos olhos
como nunca fazia.
Num murmúrio franco,
disse apenas:
– Ora, pois, vá comer sua poesia.

(Plínio Nunes)

Nenhum comentário: